Menu Principal

Você sabe o que é amortização de financiamento?

pd_posts_01out_01_blog

Há muitas maneiras diferentes para se efetuar o pagamento de um imóvel. Um dos caminhos mais conhecidos e utilizados é o financiamento: o comprador, que geralmente não possui condições financeiras de efetuar o pagamento da propriedade à vista, vai até o banco e solicita um crédito para quitar o imóvel. Depois desse processo, ele paga o valor emprestado à instituição financeira em parcelas mensais, sujeitas a taxas e juros. A vantagem dessa forma de negociação é que, durante o período em que está pagando ao banco, o cliente pode desfrutar do espaço.

A grande questão, que ocupa a cabeça de quem decide fazer um financiamento, é quanto tempo o pagamento vai durar. Em caso de longo prazo – como 20, 30 anos –, é cabível utilizar a amortização: prática que consiste em adiantar o pagamento do valor total ao banco. A técnica reduz o saldo devedor do imóvel, diminui os juros e torna mais rápida a quitação da propriedade. O comprador também pode amortizar o financiamento através do FGTS, a cada dois anos.

Parcelas

Desde o início do prazo, as parcelas de um financiamento imobiliário são compostas por três cobranças básicas: a principal (valor que você pegou emprestado), os juros e os encargos, como seguros e taxas. É importante o comprador saber que apenas o saldo devedor pode ser amortizado – ou seja, apenas o valor que foi emprestado pelo banco, independente dos juros e outras cobranças ou do preço total do imóvel, em caso de empréstimo parcial.

A amortização é tão comum no mercado imobiliário que alguns sistemas já são consolidados. Um dos mais usados atualmente é o SAC (Sistema de Amortização Constante), no qual o valor amortizado mensalmente é contínuo, como o próprio nome diz. O diferencial aqui fica por conta do preço de cada parcela: são pagos mais juros no início do que no final, tornando menores os valores das últimas parcelas.

Prazo x Parcelas

Como o comprador está pagando antes o valor que seria cobrado posteriormente, o banco não cobra juros e encargos que incidem sobre a quantia amortizada. Essa é a grande sacada da prática: quanto mais você adianta, menos você paga no final das contas. Outra vantagem da amortização é poder escolher qual a melhor forma de aliviar o pagamento de acordo com o seu planejamento financeiro: abaixar o valor das parcelas gradativamente ou diminuir o prazo para quitar o saldo devedor.

Caso as parcelas não sejam tão pesadas em relação à situação financeira do comprador, o ideal é amortizar para reduzir o prazo e se livrar logo da dívida. Se as contas tiverem pesando no final do mês, a melhor opção é reduzir o valor das parcelas e manter o prazo. No entanto, o comprador deve se atentar, pois pode haver um saldo residual, que pode aparecer até o fim do prazo estipulado anteriormente.